Doria defende apoio a Bolsonaro e França diz ser ‘convergência’


Os candidatos ao governo de São Paulo, Márcio França (PSB) e João Doria (PSDB), participaram nesta 2ª feira (15.out.2018) do programa Roda Viva, da TV Cultura. Doria defendeu seu apoio a Bolsonaro. Já França disse que representa “convergência”.
O 1º a ser entrevistado pela bancada de jornalistas foi França. Ele afirmou não ter nenhuma relação com PT. “Os petistas sempre achavam que eu era tucano e os tucanos achavam que eu era petista. Eu não sou nem tucano e nem petista. Eu sou do PSB”, defendeu.
Ele disse representar uma convergência de ideias. “Por que as pessoas de outras tendências me apoiam? Porque elas encontram um pouco de convergência”, disse.
O pessebista ainda destacou que a divergência de partidos não pode levar prejuízos à população. Para ele, a democracia não pode ter uma pessoa só achando que ela vai ter todas as pessoas, de todos os lados. A maioria da população sequer tem partido.
Em relação à segurança pública, o candidato disse que é preciso acabar com funcionários de “carreira” do PCC. “Eles [PCC] acabam cooptando os garotos nas comunidades mais humildes, oferecendo vantagens e dinheiro para a pessoa fazer venda de droga, e aí trazem a pessoa. Se você tirar isso deles, você acaba estrangulando”, disse.
João Doria também destacou a segurança pública como área prioritária no plano de governo. “A Secretaria de Segurança Pública do Estado terá uma pessoa da polícia no comando. Não teremos mais promotores públicos à frente do órgão”, disse.
O tucano disse que, se precisar fazer alterações na peça orçamentária para destinar recursos para segurança, fará. Ele disse querer garantir bons salários e investimentos no setor.
Sobre o encontro frustado com o candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, Doria disse que o militar não se sentiu bem na oportunidade e, por isso, não estava na casa em que gravaria programa eleitoral. Doria foi até o local, mas não conseguiu falar com o presidenciável.
Sobre o posicionamento extremista de Bolsonaro, o tucano disse acreditar que são posições do passado. “Bolsonaro vai ser eleito presidente da República. Tem que ser pacificador e transformar no Brasil. […] Não faço opção pelo passado, mas pelo presente, e, principalmente para o futuro”, afirmou.
O candidato também disse que perdoa Geraldo Alckmin. O ex-governador de São Paulo chamou Doria de “traidor” em reunião do partido. “O governador Alckmin estava numa situação muito difícil. Ele tinha acabado de perder a eleição.  Falou isso depois de um resultado tão adverso como aquele”, disse. Doria afirmou que respeita e considera Alckmin.
Doria destacou que tem ideias mais liberais do que outras lideranças do PSDB. “Não estou mudando, sempre fui anti-PT e anti-esquerda”, disse. O candidato disse querer 1 Estado mais eficiente, digital e menos burocrata.
Fonte:https://www.msn.com/pt-br/noticias/eleicoes/doria-defende-apoio-a-bolsonaro-e-fran%C3%A7a-diz-ser-%E2%80%98converg%C3%AAncia%E2%80%99/ar-BBOrha4?li=AAggXC1&ocid=mailsignout
Doria defende apoio a Bolsonaro e França diz ser ‘convergência’ Doria defende apoio a Bolsonaro e França diz ser ‘convergência’ Reviewed by Fabiano Silva on 10:30:00 Rating: 5

Nenhum comentário